A CARTA DO HORROR - DISNEY





Olá Pelotiqueiros!

Hoje vou compartilhar minha tristeza com vocês ao ler uma postagem de um blog que curto muito o Animação S/A.

Desde a minha adolescência, me apaixonei por animações e queria fazer faculdade na área e produzir um excelente filme. Porém, no meu estado não havia faculdades ou cursos.
Há pouco tempo empresas do Rio de Janeiro começou a investir em meu estado buscando talentos tanto para HQ’s quanto para animação o que me deixou esperançosa depois de 10 anos.

Mas, vamos direto ao assunto. A tristeza se deve a uma carta de rejeição que a Disney enviava as mulheres que queriam ser animadoras.
No final da década de 1930, Mary V. Ford tentou entrar para a equipe de animadores da Disney, mas acabou recebendo uma carta de resposta onde o estúdio dizia que limitava o cargo apenas para "jovens homens". 

Quando li parte da carta que dizia: “Mulheres não fazem nenhum trabalho criativo relacionado à preparação dos desenhos, já que o trabalho é realizado inteiramente por jovens homens. Por essa razão, garotas não são consideradas para a escola de treinamento. O único trabalho aberto às mulheres consiste em fazer o contorno com tinta dos personagens em folhas de papel e no preenchimento dos traços no verso, conforme instruções”. Posso dizer caro leitor que senti como se esta carta tivesse sido para mim. Veio-me uma vontade de chorar. Tristeza que tomou minha alma e me deixa triste tal relato.
O blog relata que o estúdio Disney começou a mudar o modo de tratar as mulheres durante a Segunda Guerra Mundial onde a maioria dos "jovens homens" estavam se alistando no exército. Porém foi apenas em "Frozen" que a Disney teve a sua primeira animação dirigida por uma mulher, Jennifer Lee.

·         Jennifer Lee is a screenwriter for Walt Disney Animation Studios
 
"O único trabalho aberto às mulheres consiste em fazer o contorno com tinta".

 
Mesmo assim, ainda continua uma grande angustia, pois o filme “Frozen” é um filme recente, e espero que tenhamos mais pioneiras nesse universo que para mim é mágico e que me enche de alegria quando desenho.

É isso! Mas desistir está longe dos meus planos.

Tradução da carta no blog  Animação S/A.



·     

 

Comentários

  1. Aí que está. A Disney é só uma empresa. Não é a Unicef, não é o paraíso, não é o Exército da Salvação. Não se deve endeusar empresas, como a Apple ou a Microsoft, pois é só feita de pessoas que refletem suas épocas.

    Disney foi um empresário e visionário. Pegou um pântano que ninguém queria e fez um parque de diversões em cima. Pegou vários portorriquenhos e fez todo mundo trabalhar. DEPOIS de pronto que o lugar foi canonizado. Mas não é preciso ter o julgamento ou validação deles, se você gosta é por que reflete um valor que você tem. Então é só usar esse valor.

    ResponderExcluir
  2. Uma empresa que admiro muito, é a DreamWorks.

    Referente a Disney, os backgrounds dos desenhos, eram e são desenvolvidos por muita gente, e delas temos uma brasileira.

    ResponderExcluir

Postar um comentário